RESPEITO AO PASSADO E OLHOS NO FUTURO

As três famílias que comandam o Grupo Simões renovam o acordo societário e estão prontas para expandir ainda mais os seus negócios


O Grupo Simões, conglomerado de organizações que atua na região amazônica, é o que se pode chamar de uma sociedade multifamiliar. Seus três sócios fundadores, Antônio de Andrade Simões, Petrônio Augusto Pinheiro e Osmar Alves Pacífico - que se uniram na década de 70 para realizar seus sonhos de empreendedores - não tinham nenhum grau de parentesco entre si. Mesmo assim, acreditaram na relação de confiança que os unia e decidiram apostar na parceria. Deu certo. Hoje, as empresas do Grupo Simões estão presentes em 12 cidades de seis estados: Acre, Amapá, Amazonas, Roraima, Rondônia e Pará e empregam cerca de cinco mil funcionários. Seu carro-chefe é a divisão de bebidas, que produz e comercializa marcas tradicionais, como Coca-Cola, Fanta, Kuat, Sprite, Del Valle, Schweppes, Matte Leão, além de produtos da Heineken Brasil, como Bavária, entre outras. Sem falar na produção do Guaraná Tuchaua e o envasamento da água mineral Belágua, duas marcas próprias do Grupo Simões.

Se a ousadia, a coragem e a determinação dos fundadores foram fundamentais para o nascimento e o crescimento dos negócios, a organização societária definida em 2003 por seus herdeiros garantiu a harmonia entre as três famílias e o futuro do Grupo Simões. Em junho de 2010, seus membros se reuniram e renovaram o acordo societário por mais dez anos. “Estamos mais fortes do que nunca”, diz Vanessa Simões Silva Cavalcanti, presidente do Conselho de Família e representante da terceira geração dos Simões.

a regra é clara!

O acordo societário que envolve os herdeiros do GrupoSimões é resultado de um trabalho cuidadoso e detalhado. Mais do que definir questões comuns a qualquer empresa familiar – como critérios relacionados à entrada de parentes para trabalhar na companhia, à remuneração e a processos sucessórios –, foram considerados e respeitados aspectos como a história e os valores de cada família. Para chegar a um documento que conciliasse tudo isso de maneira harmoniosa, os familiares participaram em 2004 de várias reuniões e workshops, a fim de discutirem cada vírgula do futuro acordo. Foram ouvidos inclusive os membros da terceira geração, na perspectiva de que se tornassem acionistas e também pudessem vir a ocupar cargos nas empresas ou nos conselhos.

Como previsto no acordo inicial, em 2004 os membros da segunda geração das famílias deixaram os cargos de diretoria e passaram para o Conselho de Administração. Os cargos de diretoria passaram então a ser ocupados por executivos não familiares. Como parte do processo de profissionalização do grupo, a diretoria executiva passou a ser exercida por um executivo que não faz parte da família: Aristarco Martins Neto. “Foi muito bom ter feito todo esse trabalho, pois pudemos perceber que os valores do meu avô e de seus dois sócios estavam bem vivos”, afirma Vanessa.

Além da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração, em 2004 foi criado o Conselho de Família, composto exclusivamente pelos sócios, ou seja, os descendentes dos três fundadores. A seguir, algumas de suas principais atribuições:

• preservar e desenvolver o patrimônio, a educação e a cultura dos núcleos familiares;

• gerenciar as regras para trabalhar nas empresas;

• zelar pela união e harmonia entre os membros dos núcleos familiares;

• funcionar como um fórum exclusivo de discussão de assuntos de interesse das famílias acionistas;

• agir como guardião do acordo societário;

• promover testes vocacionais e de autoconhecimento;

• prever visitas técnicas e de benchmark a outras organizações;

• realizar viagens que permitam aos mais jovens participarem de feiras e congressos nacionais e internacionais.

capacitação dos jovens

O Grupo Simões segue a seguinte máxima: a visão sobre os negócios transmitida de uma geração para outra é fundamental, mas deve ser sempre complementada e atualizada para acompanhar as mudanças constantes do mundo corporativo. “É fundamental termos bons acionistas”, diz Vanessa, do Conselho de Família. De acordo com ela, um executivo ruim pode trazer prejuízos, mas um acionista despreparado pode quebrar a

empresa. “Eu posso trocar um executivo por outro, mas não dá para fazer isso com um acionista, que possui seus direitos. Por isso, ele deve ser capacitado para exercer bem o seu papel.”

Os jovens, participam de aulas de educação financeira e passam por processos individuais de qualificação. Já as crianças da família são envolvidas em atividades mais lúdicas, como visitas às companhias do grupo. Nessas ocasiões elas conversam com os funcionários e conhecem melhor os produtos. “Eu passei a minha infância dentro de uma fábrica da Coca-Cola e aprendi muita coisa. Agora é a vez deles. A gente só ama aquilo que conhece.”

Por ser multifamiliar, a profissionalização envolve a mudança de papel dos familiares, numa atuação estratégica fundamental para a continuidade, como conselheiros. Os demais familiares recebem todo o apoio para seguir seus sonhos profissionais e aptidões, que podem ou não serem colocados à disposição das empresas do Grupo Simões. “Se um herdeiro quiser estudar piano e tornar-se músico, terá o suporte necessário”, diz Vanessa. “Incentivamos todos os familiares a buscarem oportunidades fora dos nossos muros e a criarem seus próprios negócios. A maioria tem perfil empreendedor e nosso papel é ajudá-los no seu desenvolvimento. Mas todos terão de fazer paralelamente a sua formação como acionistas porque são herdeiros legítimos do legado dos fundadores. A diferença é que aquele que desejar trabalhar nas empresas da família terá obrigatoriamente de participar de um programa mais profundo, de longa duração e com etapas individuais para o seu aprendizado e o seu desenvolvimento no universo dos negócios.”

crescimento sustentável

Além das divisões de bebidas e de veículos, o Grupo Simões tem outras três: gases, novos negócios e serviços compartilhados. A divisão de gases foi criada em 1974 para atender à demanda das fábricas de refrigerantes do grupo, que, àquela altura já começavam a aumentar rapidamente a sua produção. Com unidades em três cidades: Manaus (AM), Belém (PA) e Porto Velho (Rondônia). A divisão de serviços compartilhados nasceu em 2008, com um objetivo específico: fazer com que tanto as atividades administrativas quanto as financeiras das divisões do grupo fossem integradas. Já a divisão de novos negócios, que surgiu em 2009, está ligada diretamente ao Conselho de Administração. Como o próprio nome diz, seus profissionais trabalham com foco no futuro, para identificar oportunidades de novos negócios que possam passar a ser desenvolvidos pelo grupo. A ordem é crescer de forma consistente e garantir a perenidade das empresas.

multifamiliaridade

Com a nova estrutura dividida em três blocos – Diretoria Executiva e os Conselhos de Administração e de Família –, o Grupo Simões passou a adotar o que existe de mais moderno em modelos de governança para uma empresa familiar de grande porte. “Existe uma complexidade maior numa multifamiliar do que numa unifamiliar”, afirma Renato Bernhoeft, fundador da consultoria höft bernhoeft & teixeira. Segundo o especialista, quando uma companhia é constituída por vários sócios, cada agrupamento familiar tem percepção diferente do papel que seu pai e os demais sócios representaram na construção do empreendimento. Há a probabilidade, portanto, de que a história tenha distintas versões. Cada um dos fundadores também criará em sua família uma cultura específica. E, para que tudo saia bem, é preciso que as famílias estabeleçam de comum acordo alguns princípios compartilhados. “As relações com acionistas e o mercado devem ser pautadas por um conjunto de valores aceitos por todos que dela façam ou venham a fazer parte.”

Bernhoeft lembra também que, para uma empresa multifamiliar se manter sólida e competitiva, é fundamental investir na preparação dos herdeiros para exercerem bem o seu papel de acionistas. Tornar-se sócio, afinal, exige preparo. “Quanto mais cedo esse processo começar, mais eficaz será a definição da carreira dos herdeiros”, afirma ele. Presidente do Conselho de Família, Vanessa Simões tem plena consciência disso. Um dos programas desenvolvidos pelo conselho trata justamente da formação de futuros acionistas. Os familiares participam de cursos sobre comunicação, finanças, contabilidade, gerenciamento do tempo, negociação,

reconhecimento

O novo modelo de governança corporativa adotado pelo Grupo Simões tem sido um grande sucesso. Prova disso, foi a sua classificação como finalista no Prêmio Família Empresária 2010, organizado e concedido pela consultoria höft bernhoeft & teixeira. O prêmio é um reconhecimento às empresas familiares brasileiras que estão tendo êxito na condução dos negócios, na perpetuação de sua história e na preservação de seus valores e compromissos. Figurar entre as três primeiras colocadas no país nessa premiação dá ao Grupo Simões a certeza de estar consolidando cada dia mais o empreendimento iniciado por seus fundadores.

E no ano 2013 foi reconhecida como a família empresária do ano. Vencedora do Prêmio Família Empresária 2013, mostrou na prática como família, patrimônio  e empresa, podem manter ritmo de crescimento e evolução ao longo de 7 décadas.

25 visualizações